Curso de Memorização para Provas e Concursos – Aula 2

Data da notícia: 4 de maio de 2009

Preparada por José

Este curso de MEMORIZAÇÃO foi desenvolvido para que você possa aproveitar melhor o seu tempo, alcançando um melhor resultado nas avaliações, bem como desenvolver sua capacidade de retenção de conteúdos de um modo geral.

O curso está dividido em 10 etapas – 1 etapa por semana. Esta é a segunda etapa do curso. A aula 1 pode ser vista aqui.

Cada etapa precisa ser feita seguindo os exercícios para real aproveitamento. Os resultados são surpreendentes. Agora vamos agilizar tudo que você estudou nas duas semanas anteriores.

Aula preparada por: Professor Ed Borges do site PassePorAqui.com – Dicas e Aulas

Teste sua Memória

Se afirmassem que você podia decorar a ordem de um baralho com 52 cartas misturadas, depois de ouvir alguém dizê-las em voz alta apenas uma vez, acharia que sou maluco!

Se lhe garantisse que nunca mais teria dificuldade em guardar nomes ou rostos, que seria capaz de memorizar uma lista de compras com 50 itens ou o conteúdo de uma revista inteira, recordar-se de preços e números de telefone importantes ou saber o dia da semana de qualquer data, na certa você julgaria que perdi a cabeça.

— Creio que a melhor maneira de provar isso seria deixá-lo acompanhar seu próprio progresso.

Para tal finalidade, devo mostrar-lhe primeiro quão fraca é sua memória destreinada. Portanto, separe alguns minutos de seu tempo neste momento e analise a si próprio nos testes seguintes.

Desta maneira, conseguirá fazer os mesmos testes, depois de ler certos capítulos, e comparar os pontos.

Acho que tais testes são muito importantes.

Como sua memória vai melhorar praticamente a cada capítulo que ler, quero que veja este progresso. Isto lhe dará confiança, o que por si só é fundamental para uma memória treinada. Após cada teste, encontrará um espaço para seu escore atual e outro a ser usado para os pontos que obterão depois de ler aqueles determinados capítulos.

Não se adiante, nem a mim, nem a si mesmo!

Teste 1

Leia apenas uma vez a lista de 15 objetos a seguir. Deve levar uns dois minutos. Em seguida, tente escrevê-la, sem olhar aqui no site. E lógico que deve fazê-lo exatamente na mesma ordem em que parece aqui. Quando avaliar a si próprio, lembre-se de que, se esquecer uma palavra, errará nas palavras seguintes, pois não estarão na seqüência certa.

Marque 5 pontos para cada resposta correta.

livro, cinzeiro, vaca, casaco, fósforo, gilete, maçã, bolsa, persiana, frigideira, relógio, óculos, maçaneta, garrafa, minhoca.

Anote os pontos aqui: ________

Após ler o Aula 2 (Até o final), faça este teste novamente.

Marque aqui os pontos depois de ler a aula até o final: _____________.

Método Mnemônico de Ligação

Quero mostrar-lhe agora que pode começar a lembrar imediatamente como jamais fez antes.

Não acredito que alguém com uma memória destreinada consiga recordar-se de 20 itens sem associação, em seqüência, após ouvi-los ou vê-los apenas uma vez. Muito embora você não acredite ainda na afirmação seguinte, realizará exatamente isto, aplicando esta técnica!

Antes de abordar a memorização real, devo explicar que memória será baseada quase inteiramente em quadros ou imagens mentais.

Iremos relembrar com facilidade estes quadros mentais, se os tornarmos ridículos ao máximo. Eis aqui os 20 objetos que será capaz de memorizar em seqüência, em um tempo surpreendentemente curto, com apenas uma leitura!

carpete, papel, garrafa, cama, peixe, cadeira, janela, telefone, cigarro, prego, máquina de escrever, sapato, microfone, caneta, aparelho de televisão, prato, rosquinha, carro, cafeteira e tijolo.

A primeira coisa que precisa fazer é formar na mente uma imagem do primeiro item, carpete”. Todas as pessoas sabem o que é um carpete então simplesmente veja isso com os olhos da mente.

Não visualize apenas a palavra “carpete’, mas de fato, por um segundo, imagine também qualquer carpete ou um que esteja em sua casa e, portanto, lhe seja familiar. Já falei sobre a necessidade de haver algum tipo de associação a algo que já conheça ou de que se lembra, a fim de recordar-se de qualquer coisa.

Fará isto agora, e os objetos em si serão as coisas das quais já se lembra. O que conhece ou do qual se lembra agora é o item “carpete”. O elemento novo, aquele que deseja memorizar, será o segundo objeto, “papel”.

Então aqui está a primeira e mais importante etapa rumo a papel. A associação deve ser a mais ridícula possível. Por à memória treinada. Agora precisa associar ou ligar carpete exemplo, você poderia imaginar que o carpete de sua casa é feito de papel. Veja a si próprio caminhando sobre ele e realmente ouvindo-o amarrotar sob seus pés. Pode visualizar- se escrevendo algo em um carpete, ao invés de um papel. Ambas as sugestões são associações ou imagens ridículas. Uma folha de papel pousada sobre um carpete não daria uma boa associação. É lógica demais!

A imagem mental precisa ser ridícula ou ilógica. Aceite a minha palavra para o fato de que se sua associação for lógica, não irá lembrar-se dela.

Agora, eis aqui o ponto do qual o farei recordar-se durante todo o curso. Deve realmente ver esta imagem absurda na mente durante uma fração de segundo. Por favor, não tente apenas mentalizar as palavras, mas definitivamente veja a imagem pela qual se decidiu. Feche os olhos por um segundo. A principio, isso talvez facilite a visualização da cena. Assim que o fizer, pare de pensar no assunto e prossiga para a próxima etapa.

Aquilo que já conhece ou do qual lembra-se agora é papel’ e, portanto, o próximo passo é associar ou ligar o papel ao objeto seguinte na lista, que é garrafa’. Neste momento, não preste mais atenção ao termo carpete”. Crie uma imagem mental ridícula inteiramente nova com, ou entre, garrafa e papel.

Poderia ver a si próprio lendo uma garrafa gigantesca, ao invés de um papel, ou escrevendo em uma garrafa imensa e não no papel.

Poderia também mentalizar uma garrafa feita de papel e não de vidro. Escolha a associação que você julga ser mais ridícula veja com os olhos da mente por um momento.

Não posso deixar de acentuar em demasia a necessidade de realmente visualizar a imagem e torná-la a mais ridícula possível. Entretanto, você não vai parar e pensar durante 15 minutos até achar a associação mais ilógica. A primeira que lhe vier à cabeça costuma ser a melhor para se usar.

Apresentarei duas ou mais formas pelas quais poderia construir as imagens com cada par dos 20 objetos. Vai escolher aquela acredita ser a mais absurda ou a que pensou sobre si mesmo e utilizar apenas essa associação.

Já ligamos carpete a papel e depois papel a garrafa. agora passemos ao próximo objeto, que é cama”. Precisa fizer uma associação ridícula entre garrafa e cama.

Uma garrafa posta sobre a cama ou algo semelhante seria lógico demais. Portanto, deve mentalizar-se dormindo em uma grande garrafa, não na cama, ou tomando um trago de bebida da cama, ao invés da garrafa. (Posso ficar bastante ridículo.) Veja cada uma destas cenas na mente por um momento, depois pare de pensar nela.

Naturalmente, você compreende que estamos sempre associando o objeto prévio ao atual. Já que acabamos de usar a cama”, este é o elemento prévio, a coisa que já conhecemos ou da qual nos recordamos. O objeto atual, a coisa nova que queremos memorizar, é peixe”. Portanto, crie uma associação ou ligação ridícula entre cama e peixe. Podia ver” um peixe gigante dormindo na sua cama ou uma cama formato de um peixe enorme.

Veja a imagem que calcula ser a mais ridícula. Agora — peixe” e cadeira’ — visualize o peixe gigantesco sentado em uma cadeira ou um grande peixe sendo utilizado como cadeira. Ou mesmo que está pescando cadeiras, ao invés de peixes.

Cadeira e janela — Visualize-se sentado na vidraça da janela (o que deve dar um bocado de trabalho), ao invés de uma cadeira. Ou pode imaginar a si mesmo jogando cadeiras com violência através de uma janela fechada. Veja a cena antes de prosseguir para o par seguinte.

Janela e telefone — Visualize-se atendendo o telefone, mas quando o leva ao ouvido não é o fone que está segurando e sim uma janela. Ou poderia mentalizar sua janela como um grande disco de telefone e que precisaria levantá-lo para olhar pela janela. Podia imaginar-se estendendo a mão pela vidraça da janela. a fim de pegar o telefone. Veja a cena que acredita ser a mais ridícula por um momento.

Telefone e cigarro -Você está fumando um telefone, não um cigarro, ou segurando um grande cigarro junto ao ouvido e falando com ele, ao invés de fazê-lo com o telefone. Ou poderia visualizar que pega o fone e um milhão de cigarros voam pelo bocal afora, atingindo-o no rosto.

Cigarro e prego — Está fumando um prego ou martelando o cigarro aceso na parede, não o prego.

Prego e máquina de escrever — Está martelando um prego gigantesco através de uma máquina de escrever, ou todas as teclas da máquina são pregos e estão furando as tas dos seus dedos, ao datilografar.

Máquina de escrever e sapato — Visualize-se calçando máquina de escrever, ao invés de sapatos, ou datilografando com os sapatos. Poderia querer imaginar um grande sapato com teclas e que está batendo nelas.

Sapato e microfone – Está calçando microfones, ao invés de sapatos, ou realizando uma transmissão com um sapato enorme.

Microfone e caneta — Está escrevendo com um microfone, não com uma caneta, ou transmitindo um programa e indo em uma caneta gigantesca.

Caneta e aparelho de televisão — Podia “ver” um milhão de canetas esguichando da tela da TV ou representando na visão ou que há uma tela em uma caneta gigantesca e você está (não consigo resistir a este trocadilho) tentando sintonizar em um programa.

Aparelho de televisão e prato — Forma a imagem de uma de TV como um dos pratos de sua cozinha ou veja a si próprio comendo no aparelho e não no prato. Ou então que come em um prato e assiste a um show de TV, ao fazê-lo.

Prato e rosquinha — “Veja” a si próprio mordendo uma rosquinha que se quebra na boca, pois é um prato. Ou mentalize que alguém lhe serve o jantar em uma rosca gigantesca ao invés de usar um prato.

Rosquinha e automóvel — Pode “ver” uma grande rosca dirigindo um automóvel ou imaginar-se dirigindo uma rosca gigantesca e não um carro.

Automóvel e cafeteira — Uma imensa cafeteira está guiando um carro ou você não dirige um automóvel, mas uma cafeteira gigantesca.

Poderia imaginar seu carro dentro do forno, com o café borbulhando nele.

Cafeteira e tijolo — Visualize-se despejando café fervendo em um tijolo, não em uma cafeteira, ou “veja” o bico da chaleira derramando tijolos, ao invés de café.

É só isso! Se realmente “viu” estas imagens com os olhos da mente, não terá problema em lembrar-se dos 20 objetos,os em seqüência, desde “carpete” até “tijolo”. É lógico que leva muito mais tempo para explicar isso do que simplesmente para fazê-lo. E necessário visualizar cada associação mental apenas por uma mínima fração de segundo, antes 1 de passar para o próximo par.

Vejamos agora se você se recorda de todos os objetos. Se “visse um carpete, o que isto lhe traria à mente no mesmo instante? Ora, papel, naturalmente. Você viu a si mesmo escrevendo não no papel, mas no carpete. Agora papel o faz lembrar-se de uma garrafa, porque visualizou-se dormindo em uma gigantesca garrafa, não em uma cama. A cama tinha um peixe gigantesco dormindo nela. Você estava pescando e apanhando cadeiras e as atirava por uma janela fechada.

Experimente. Descobrirá que memoriza todos os objetos sem errar ou esquecer-se de nenhum.

Fantástico? Incrível?? Sim! Mas, como pode perceber, algo inteiramente plausível e possível. Por que não tenta fazer sua própria lista de objetos e a decorar como acabou de aprender?

Obviamente, compreendo que todos nós fomos criados para pensar com lógica e aqui estou eu dizendo-lhe para formar imagens ridículas ou ilógicas. Sei que, para alguns leitores, isso talvez signifique um pequeno problema a princípio.

Podem encontrar um pouco de dificuldade, ao mentalizarem estas imagens ridículas. Entretanto, após fazê-lo por algum tempo, a primeira imagem que vem à mente será aquela ridícula ou ilógica.

Até isto ocorrer, eis aqui quatro regras simples para ajudá-lo:

1. Forme imagens com os objetos fora da proporção normal. Em outras palavras, que sejam grandes demais. Nos exemplos das associações feitas com os itens acima, usei a palavra “gigantesca” com muita freqüência. A intenção era fazê-lo colocar os objetos fora de proporção.

2. Sempre que possível, visualize os objetos em ação. Infelizmente, são as coisas violentas e constrangedoras aquelas das quais todos se recordam com muito mais freqüência do que as agradáveis. Se você algum dia sofreu um acidente ou passou por uma situação embaraçosa, mesmo que ha muitos anos, não precisa de uma memória treinada para ter uma vívida lembrança do fato.

Ainda treme um pouco sempre que pensa naquele incidente desagradável ocorrido há anos, e é provável que ainda hoje consiga escrever minuciosamente os detalhes do acidente. Portanto. ponha ação violenta em sua associação sempre que puder.

3. Exagere a quantidade de objetos. No exemplo da associação entre o telefone e o cigarro, falei que poderia visualizar milhões de cigarros voando para fora do bocal e atingindo-o no rosto.

Se mentalizou os cigarros acesos queimando-lhe o rosto, teria ao mesmo tempo ação e exagero na imagem.

4. Substitua os objetos. Essa é a regra que, pessoalmente, aplico com mais freqüência.

Significa simplesmente formar a imagem de um item, ao invés do outro, ou seja, fumar um prego, ao invés de um cigarro.

1. Desproporção.

2. Ação.

3. Exagero.

4. Substituição.

Tente empregar uma ou mais das regras acima na sua imagem e, com um pouco de prática, descobrirá que uma associação ridícula para qualquer par de objetos brotará na sua mente no mesmo instante. Na verdade, os elementos a serem lembrados estão interligados, formando uma cadeia, e: por esta razão que chamo isto de método mnemônico de ligação.

Todo o método de ligação resume-se ao seguinte Associe o primeiro item ao segundo, o segundo ao ter-o, o terceiro ao quarto e assim por diante. Torne suas associações o mais ridículas e/ou ilógicas possíveis e, o que é mais importante, VEJA as imagens com os olhos da mente.

Nos capítulos posteriores, aprenderá algumas aplicações do sistema de ligação como isso pode ajudá-lo a lar na cabeça recados ou compromissos e como consegue utilizar o sistema para auxiliá-lo a decorar discursos.

Também se usa o método de ligação para memorizar números de longos dígitos e muitas outras coisas. Contudo, não se adiante a si próprio. Não se preocupe com tais coisas agora.

É lógico que pode recorrer à ligação imediatamente para lembrar-se da lista de compras ou exibir-se aos amigos. Se tentar isto com um malabarismo de memória, peça a um amigo que dê uma lista de objetos e depois anote os itens por escrito, de modo que possa testá-lo. Se descobrir que está dificuldade em lembrar-se do primeiro elemento ao tentar a brincadeira, sugiro que associe o item à pessoa que o está testando. Por exemplo, se “carpete” viesse primeiro, podia ver seu amigo enrolado no carpete.

Além do mais, se na primeira vez que experimentar este malabarismo de memória realmente esquecer-se de um dos itens, pergunte qual é e reforce esta associação específica. Ou você não ridicularizou bastante a associação ou não a viu na mente, caso contrário não teria se esquecido. Depois de reforçar a associação original, será capaz de enumerar os itens do primeiro ao último.

Experimente e verá!

A parte mais impressionante desse exercício é que se seu amigo lhe repetir a lista duas ou três horas depois, você conseguirá repetir tudo. As associações originais ainda lhe trarão à mente todos os objetos. Se de fato quer impressionar os ouvintes, dê os itens de trás para frente! Em outras palavras, do último objeto citado até o primeiro.

O surpreendente é que o sistema funciona por você automaticamente. Apenas pense no último elemento, e isso o fará lembrar-se do próximo e assim por diante, ou melhor, até o princípio da lista.

Por falar nisso, por que não faz de novo o Teste 1? Compare os pontos atuais com os que obteve antes de ler este capítulo sobre a técnica de ligação.

Palavras finais:

Este método é um exercício de memória e não uma aplicação. Use-o para estimular seu cérebro a habituar-se a memorizar.

Repita pelo menos 2 listas diferentes por dia, aumentando de 5 em 5 os objetos. Por exemplo: no primeiro dia faça uma lista com 15 e outra com 20 (todos diferentes), no segundo dia, faça listas com 15 e 30 e assim por diante, até chegar a 100 objetos por lista.

Treine Bastante!

Até semana que vem, quando aprenderemos a aplicar o Sistema Mnemônico a concursos e provas.

Bons Estudos!


A aula 3 já está disponível. Clique aqui
e leia.

Confira os cursos e aulas Professor Ed Borges: PassePorAqui.com.

Caso você queira adquirir qualquer outra aula, de qualquer matéria, envie um email ao professor Borges: [email protected] . Cada aula preparada para você custa o valor de R$ 10,00 e você recebe gratuitamente dois brindes.

E você? O que achou deste concurso, datas, matérias e organizadora? Comente abaixo e dê sua nota!

Dica de Português: Acentua-se as paroxítonas terminadas em L I(S) N U(S) R X Ã(S) ÃO(S) UM(UNS) PS OM(ONS) e ditongo. Ex.: biquíni, lápis, bônus, admirável, caráter, hífen, tórax.

Pesquise Apostilas

Comentários

  1. reginaldo disse:

    Muito bom? vai seguir todas as aulas?

  2. Sulamita Pinheiro disse:

    Olá! Uau! Gostei muito desse método, realmente funcionou, fiz novamentente o teste 1 e acertei todos os objetos, vou continuar praticando. =)
    Obrigada pela dica. =D

  3. TATIANA disse:

    Acho o método incrível

  4. TATIANA QUEIROZ disse:

    descobri um baú de tesouros. é como eu classifico esse site. para quem vai fazer concursos não tem melhor.
    obrigada…

  5. maria de fatima carvalho disse:

    adorei mas quero a continuaçao cade aula 4,5,6,7,8,9,10.obrigada

  6. TATIANA disse:

    MUITO BOM, GOSTARIA DE SABER SOBRE AS PRÓXIMAS AULAS

Escreva seu comentário:


ATENÇÃO: Nós não somos organizadores de concursos ou editais, apenas divulgamos notícias.